Delicadeza

destilam-se pensamentos
das nuvens de palavras
sensualmente deitam-se nos versos
sobre uma folha branca

então contam-se as sílaba, vocábulos
como se os versos tivessem ossinhos
ossinhos de porcelana, de passarinho

segure o poema de mansinho
para não machucar
que por entre dedos
escorreram os sentimentos

Num só movimento
reflete nos olhos, metáforas
enquanto a boca enche-se d’agua
e a língua banha-se na alegoria
poesia é alimento,
que sem morder,
engula sem pensar

Bluebird animation based on Charle’s Bukowski’s poem

Charles Bukowski – Bluebird

there’s a bluebird in my heart that
wants to get out
but I’m too tough for him,
I say, stay in there, I’m not going
to let anybody see
you.
there’s a bluebird in my heart that
wants to get out
but I pur whiskey on him and inhale
cigarette smoke
and the whores and the bartenders
and the grocery clerks
never know that
he’s
in there.

there’s a bluebird in my heart that
wants to get out
but I’m too tough for him,
I say,
stay down, do you want to mess
me up?
you want to screw up the
works?
you want to blow my book sales in
Europe?
there’s a bluebird in my heart that
wants to get out
but I’m too clever, I only let him out
at night sometimes
when everybody’s asleep.
I say, I know that you’re there,
so don’t be
sad.
then I put him back,
but he’s singing a little
in there, I haven’t quite let him
die
and we sleep together like
that
with our
secret pact
and it’s nice enough to
make a man
weep, but I don’t
weep, do
you?

Charles Bukowski

The Tragedy of the Leaves

By Charles Bukowski

I awakened to dryness and the ferns were dead,
the potted plants yellow as corn;
my woman was gone
and the empty bottles like bled corpses
surrounded me with their uselessness;
the sun was still good, though,
and my landlady’s note cracked in fine and
undemanding yellowness; what was needed now
was a good comedian, ancient style, a jester
with jokes upon absurd pain; pain is absurd
because it exists, nothing more;
I shaved carefully with an old razor
the man who had once been young and
said to have genius; but
that’s the tragedy of the leaves,
the dead ferns, the dead plants;
and I walked into a dark hall
where the landlady stood
execrating and final,
sending me to hell,
waving her fat, sweaty arms
and screaming
screaming for rent
because the world had failed us
both.

Líquida

Fluidez corre pelas concordâncias
Condensa-se o verbo à sentenças
E a solidez das oxítonas entoam
No cantado silábico das tramas

E da líquida idéia que pinga
Que desce para uma câmara esguia
Fermenta na saliva o gosto da mente
A nata da língua latina da gente

Diga-me

Diga-me se te sou pouco
Diga-me se não miolo teu oco
Se me queres obsceno
Como aqueles outros

Faz-me líquido e sólido
Conjugando-me em tuas ancas
Se não te sorvo subvertido fruto
Que tanto geograficamente estudo

Cala-me o ai da boca com o bico
Enquanto não obtuso
Esfrega-me à flor da tua pele veludo
Que esbraseado extirpo teu perfume noturno

Ostracismo

Gente me incomoda
Sou uma ostra dentro da ostra
Preciso de poucos amigos
Um que me empreste
Um que me ensine
Um que me aplauda (mesmo sem entender)
Não sou diferente da lesma
Que vai deixando seu corpo liso
Num rastro prateado
Fugindo do calor do sol
Pra agonizar num punhado de sal
No teto uma aranha
Tecendo uma armadilha
Sendo que a vida já fez isso por nos.

inspiração

Oh! tão sublime força indefinível,

Rara luz que ilumina o pensamento,

Sombra perfeita voando em leve vento,

Doce delírio de fúria invisível

 

Formas vagas,  sensações de momento,

Supremo dom, dádiva intraduzível.

Só aos olhos do coração sensível.

Tradução eterna do sentimento.

 

Oh! tu:  fugaz astro tão cintilante,

Luz perdida na vasta imensidão,

Percepção de alta emoção irradiante.

 

Ando a buscar-te na imaginação,

Sonhando ter em cada novo instante,

A indefinível luz da inspiração.

 

E.A.S 

 

SUJEITO OCULTO(por Victor Colonna)

O problema são as conjunções desconjuntadas
As interjeições rejeitadas
Os adjetivos desajeitados
Os substantivos sem substância
As relações de deselegância entre as palavras.

É preciso superar o superlativo:
O absoluto sintético
E o analítico.
Achar o verso
Entre o verbo epilético
E o pronome sifilítico.

Falta definir o artigo inoxidável
O numeral incontável, impagável.

Resta procurar o objeto direto
Situar o particípio passado
E o pretérito mais-que-perfeito

Desvendar a rima
Desnudar a palavra
Encontrar o predicado
E revelar o sujeito.

Carne Crua


Mesmo que a presa corra em desespero
E procure uma saída do atropelo
Mesmo que a corrida seja plena
E a geografia seja sana

Mesmo que o vento espalhe o cheiro
Entre as árvores e colinas
Desviando o desejo
Fabricando sem sucesso

Calculando o movimento
Salivando o contento
Almejando o momento
Vendo a carne nua e crua

Carne crua alimentada
Pelo sangue quente e fresco
A besta ainda procura
Prosseguindo na aventura

Mas a presa já cansada
Sem reclíneo no momento
Sem destino e já perdida
O passo perde o intento

Vem a besta aproximando
Sua força avantajada
Com os dentes tão pontudos
Suas unhas amoladas

Provam a carne crua e quente
Sem demora e sem piedade
Com a vitória ao alcance
O extinto faz presente

Enquanto a presa perde a carne
Do seu corpo em despedaço
Com a dor de um segundo
Com a vida por um laço

A presa cai em um instante
Como o golpe determina
Com a besta já em cima
Posição de assassina

Mas a presa nao desiste
com o pouco que lhe sobra
Com uma manobra inesperada
Um solavanco, uma patada

Acerta a besta por um encanto
Arranca a carne de um tanto
Tantos ossos revelando
Que o sangue fica jorrando

Com o sangue não distinto
O horror e os despedaços
Pela terra assinalada
Deixa o solo em vinho tinto

Misturas as carnes nua e crua
Como uma trégua sem diálogo
Departem uma da outra
Com os corpos delacerados

Com o sangue ainda vertendo
A besta sem força e sem contento
Cai ao lado agonizando
Com a carne ensanguentada

E a presa sai marchando
Mas com a sorte do seu lado
Sem lamento e sem demora
Vivendo de um golpe afortunado

Exposta a outras bestas
Que o duelo assistiram
A Besta ficou no chão sofrendo
Com a carne nua e exposta

Vira presa sem demora.

CORPO

Estar preso ao corpo
Não poder ser nada além de corpo
Tudo passar pelo corpo
Incomoda
Mesmo dando prazer
Incomoda
Sentir-se corpo
Sentir o corpo
O próprio hálito
Incomoda
O odor de borracha, de silicone
Que às vezes se desprende
E que nem a poesia muito alivia
Porque até ela passa pelo corpo
Porque até o Além passa pelo corpo

Natal Dantesco

Hou, hou, hou! O natal chegou!
E as hienas devoram a carniça do consumismo,
Numa solidariedade movida a egoísmo
Que o obeso Noel organizou.

Do aniversariante ninguém lembrou!
Não é interessante para o capitalismo.
Cristo nos ensinou o comunismo,
Mas um punhado de moedas o crucificou.

Mãos gordurentas numa mesa cheia.
Gargalhadas demoníacas encharcadas de vinho.
Bocas arrotam com a pança cheia

Sobre o peru morto com tanto carinho.
E o aniversariante, sem sapato e sem meia,
Dorme embaixo de uma marquise, sozinho.

(Fabean Batista – 24/12/2007 à 29/01/2008)

Desiludido

Oh!Coração banido
coração banido!
Ainda existe o pobre e desiludido?
A espera de um soluço reprimido!
Nestes dias atuais
a tristeza é o remédio de minha fraqueza
serás assim então?
Nesta vida bela e tão sofrida…
o gosto amargo quando vejo o seu retrato !
Este destino que jamais serás como velho conhecido
nessa caminhada sem tréguas!
O incerto não sei…
porém vos digo
que meu chão não tem sentido !!!!!
Quando a saudade bate ao meu ser
minha mente fecha, meus olhos entristece
meu espírito se envaidece
desta nostalgia fria e amiga…

João Paulo Pio li 11/03/08

O dia em que Augusto dos Anjos me inspirou

Rompo os nós
Desconstruo esse mito
De que mulher é amor, docilidade e delicadeza
Que comporto em mim uma ética do cuidado inerente à minha condição de fêmea
E retira de mim, na mesma medida, a sujeira, o forte, o grosso, o insensível
Sou eu também tesão e ódio
Não querer ser deus,
Não sou à sua imagem e semelhança
Também não desejar ser Maria
Postar-me como sempre virgem, submissa e com os olhos voltados para baixo
Questionarei a bíblia e o seu mito do paraíso perdido
A mulher como a imagem do diabo
Elevarei meu pensamento para meu umbigo
E parirei dele uma placenta com uma flor dentro
Cagada, medrosa e sem pétala
Que feia e desidratadaMal nascia e já morria
Seu fôlego foi tão intenso
Que desaprendeu a respirar
Seu primeiro suspiro se tornou também o seu último
E ela viveu como ninguém jamais devera ter vivido.
Nesse mundo de crises, guerras, machismos, muitas outras cagadas e flores artificiais
Não desejo ser essa flor
Tampouco o cravo que a despetalou
Desejaria ser simples e intensamente
Esse sopro de vida que não sou.

21/06/2004)

Silvícola

silvicola21.jpg

Se antítese metaforiza !
Nem todo canto universal
No parapeito harmoniza!
Anacoluto em flexão verbal

Primar pelo louvor
Em bocejos de parvoíce!
Aclamar por estupor
Antologias de parolice!

O contestador a papila priva
Que co’a arte simplória contenta!
Já ao símio se alimenta

Com tudo que lhe assemelha!
Já ao silvícola não importa
Onde a crítica lhe enfoca!