Pagão

Ainda brotam-me na pele
Brutos diamantes translúcidos
E na minha boca o gosto
De todas as manhãs de domingo
Ainda repousa em meu corpo
Brumas de um perfume antigo
Dos feitiços das terras do fogo
Nossas noites de oferenda
Corpos celestes movimentando-se
Lentos enfileirados sobre nossas cabeças
Nas dunas de uma areia santa
Brincam o vento e a brisa quem vem de ti
Eu como um mar tempestuoso
Quebrando-me sobre falésias de nostalgia
Rochas monumentais que ainda adoro
Sou pagão numa religião perdida

Um pensamento sobre “Pagão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s